10.7.09

Problemas do cristão.

Dentro da igreja protestante temos ainda algumas idéias que nos desvirtuam da meta do cristão.A meta de qualquer cristão é dar frutos e servir à Deus.Porém, existem coisas que retiram a capacidade de sermos trabalhados por Deus, porque só a partir d´Ele poderemos dar frutos e servi-lo.E o problemas são alguns mitos que são interiorizados na prática, no aprendizado,pelo do olhar através do exemplo.
Podemos citar a questão do cristão que se considera muitas vezes perfeito, incapaz de errar, incorruptível, o que não é bem verdade. O que seria mesmo verdade é que pecamos e somos muito imperfeitos e ainda somos diferentes,ou seja , seria impossível traçar um rótulo de como é ser cristão,como diz o Fruto Sagrado:- Eu sou diferente igual a todo mundo, sem Você não sou ninguém.

E o problema maior é que isso vem, às vezes, tanto pelo exemplo de ver outros fazerem (para ver como é grande esse problema se aprende não por errar, mas por pegar do outro, pelo exemplo que é dado), ou por acreditar que aquilo que faz não condiz com uma atitude cristã e poderia escandalizar os outros, porém se pecamos devemos confessar e se fizemos algo errado é melhor procurar alguém que possa nos ajudar e não guardar e camuflar para que não apareça.
Além disso, também existe a idéia de que se é muito forte,sou um cristão muito antigo(são esses que dão o exemplo so ser cristão) de que não sou capaz de errar. Eu líder de célula, ministro de louvor e diácono, entretanto sejam esses ,ou qualquer outro, podem errar e provavelmente irão, porque quando caímos, já diria o pai do Batman, é para aprender a levantar.

E essa idéia de que se é forte ainda vem acompanhada de uma idéia comum na psique, de que você é melhor do que o outro, e é o que gera tanta “guerra” entre os homens. Isso é a aplicação prática da teoria de Thomas Hobbes quando ele diz que o homem se conhece muito melhor que o outro e assim sempre se achará mais inteligente , mais perspicaz do que o outro. E assim viramos um tipo de super-homem, que faz pensar que não somos capazes de erro e só o outro que erra e é assim: sou super e pronto.
Existe uma teoria chamada teoria dos papéis (não sei se é esse mesmo o nome).Mas, o que é válido ressaltar é que essa teoria relata sobre a questão adaptável do homem nas situações cotidianas, a partir da sua maneira de agir.Ou seja, você não fala com a sua mãe do mesmo jeito que fala com seus amigos, ou com seu professor, ou com o pastor, ou com a garçonete.

O ponto é que nós assimilamos pela cultura, como devemos agir em cada situação, sendo o grau de importância que rege esse maneira de agir.Isso, começa a fazer parte de nós de uma maneira automática. O pensamento é: quem tem uma posição maior merece maior respeito e maior trato no falar, já que eu tenho que parecer ser do mesmo nível que ele, dessa maneira você não chamaria nunca o Presidente Lula de você, mas sim de Vossa Excelência Ilustríssimo Presidente Lula , se bem que no caso dele de repente rolasse um companheiro , mas isso é uma esquisitice somente dele.
Destarte ficamos camuflados e na grande maioria das vezes não conseguimos ser nós mesmos por completo,poderíamos somar no nosso cotidiano a postura na igreja, ou melhor, a postura diante de Deus. Porque mesmo diante de Deus onde deveríamos ser nós mesmos, já que Ele nos conhece completamente, muitas vezes nos camuflamos. Entre aleluias e glórias,falsos algumas vezes, nos escondemos e perdemos nossa sinceridade com Deus e nossa individualidade de mostrar quem realmente somos, porque temos que ser o que é demonstrado, e assim tentamos não errar e tentar nos mostrar perfeitos, diante de Deus. (E nem isso conseguimos, porque não temos nem medida para o que é perfeito para Deus , podemos medir o que é perfeito para o homem , mas para Deus não).

Esses acontecimentos são realizados por um raciocínio bem lógico e fácil, se Deus é perfeito quando falo com Ele tenho que ser perfeito,ou estar perfeito, fica automático como na questão da teoria dos papéis. Contudo, nesse momento, esquecemos da coisa que deve ser mais falada nas igrejas, que Jesus deu sua vida por nós, pelo simples fato d`Ele ser o único a poder pagar pelos nossos pecados, diante da sua perfeição e nos deu perdão. Dentro desse ponto, de não sermos perfeitos, eu ainda me lembro do que Jesus disse em Mateus capítulo 9, versículo 12 ( parte b) “Porque eu não vim a chamar os justos , mas sim aos pecadores , ao arrependimento”. Jesus não veio para os fortes e perfeitos ,mas para os fracos e pecadores imperfeitos.Lembro também do sermão do monte da parte das beatitudes, que Jesus diz: Bem aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. Bem aventurado os que choram, porque eles serão consolados. Jesus veio para os imperfeitos e para os que percebem a sua inferioridade diante de Deus, e esses são os donos do Reino do Céus (Amém). São esses que choram e Jesus consola( Amém).
E ainda me veio à mente e não poderia deixar de citar que como o mundo diz todo evangélico é ex-alguma coisa e isso porque Deus nos tira de lá do fundo do mar e nos traz à tona para poder vê-lo, segui-lo e servi-lo.

O que podemos tirar disso é que não é válido na nossa relação com Deus que estejamos camuflados e cheios de escudos, porque Ele sabe das nossas fraquezas, dores e sofrimentos e deseja nos alegrar, curar e tornar fortes n`Ele, porque como já diria Gustavo Borner: - pra quem conhece poder para surpreender, braços abertos você me atrai como um imã.

Logo, quando for se apresentar diante de Deus se mostre como realmente é irmão, pois somos fracos, imperfeitos, cheios de sombras. Mas também somos servos que estamos aqui para controle d`Ele e Ele nos ama e cuida de nós. E a característica principal como cristão é a de ser servo.Nós somos servos amados e cuidados por Deus. E quando estivermos em casa, no trabalho, na faculdade ou na casa de um amigo, esta deve ser nossa característica principal, nosso papel principal, que é irrevogável, que não podemos abrir mão e não abriremos nunca, não importa a situação e nem mesmo o local. Somos servos de Deus e um do outro, e para isso estamos em comunhão e é assim que devemos nos apresentar diante de Deus, fracos e imperfeitos, para que Deus possa lapidar o diamante bruto que somos. Assim teremos frutos e isso é o que qualquer árvore e homem precisa ter para se sentir útil. Isso só vem quando deixamos Deus trabalhar em nós.

Fiquem com Deus